terça-feira, 1 de junho de 2010

Estupro: A África do Sul que você não quer ver



Não há como negar que a África do Sul ainda enfrenta problemas sociais, apesar do doloroso e longo processo de luta contra a desigualdade racial encerrado no início dos anos 90. Nelson Mandela e seus seguidores trouxeram um sopro de liberdade ao sofrido povo negro, não obstante, o que aconteceu depois do fim do Apartheid, ainda está longe das maravilhas prometidas pela democracia. Pobreza, guerra civil, AIDS, xenofobia, homicídios e outros questões, são feridas que permanecem abertas no país da próxima Copa do Mundo de Futebol.

Todavia, uma delas têm me causado especial repúdio: o estupro de lésbicas. No caso da África do Sul (e também em outros países africanos) essas violações são chamadas de “estupros corretivos” e têm como objetivo mostrar para mulher “aquilo que ela precisa gostar”, ou seja, de homens. O mais incrível, é que quando essas mulheres procuram a polícia, são violentadas novamente, só que dessa vez em seus direitos, pois as autoridades fazem vista grossa para os criminosos que cometem violência sexual contra lésbicas. Se a vítima for negra, o descaso pode ser maior ainda, visto que profissionais da área da saúde se negam a prestar qualquer tipo de socorro. Não são raros os casos onde o estupro é seguido de morte. E pelas mesmas razões apresentadas anteriormente, esses assassinos dificilmente chegarão a um tribunal.

Incluindo o estupro contra lésbicas, a África do Sul é o país com o mais alto índice per capta desse tipo de crime no mundo todo. Segundo as estatísticas, 15% das vítimas de estupro têm menos de 11 anos de idade. Esse é um fenômeno de difícil compreensão, pois atrás disso temos um outro problema grave: a AIDS. Estima-se que ela matará mais de 22 milhões de sul-africanos nos próximos dez anos. Mais que uma questão de saúde pública, é também um problema cultural, pois além da crença de que estupros “curam” lésbicas, existe uma outra mais absurda ainda: a de que praticar sexo com uma virgem pode curar a doença. Pelo visto, nessa luta contra a AIDS/estupros, o rigor da lei é um fator mais que necessário, tanto quanto a conscientização e a prevenção.

Enfil

12 comentários:

Cor de Rosa e Carvão disse...

Enfil, querido

Sabia que a África do Sul era recordista em estupro e mantinha alto índice de portadores do vírus HIV. Mas desconhecia esse lance do "estupro corretivo". É violência sobre violência então. No meio de tudo isso tem o descaso, a desigualdade social e a discriminação.

No meio de tanto desenvolvimento mundial, tecnologia, descobertas científicas, ainda empatamos ou ficamos no menos 10 [mais ou menos] em relação a questões sociais.

Parabéns guri pela abordagem séria sobre um assunto preocupante e que deveria ser tratado seriamente por todas as nações envolvidas no mundial. Deveria ser pré-requisito o início de um sistema de ordem nacional no país.

Beijo

Flavio Ferrari disse...

E depois o pessoal não entende porque me recuso a visitar o pais e não tomo os vinhos fabricados por lá pela minoria democrática branca ...

Anônimo disse...

Não sei onde li que esses estupros são encorajados por curandeiros. Mesmo assim, estupro como parte de uma cultura é absurdo. Tão absurdo quanto acreditar que lésbicas podem passar a gostar de homens depois de violentadas.

Anônimo disse...

Vi na TV uma reportagem sobre isso. As mulheres estrangeiras também são vítimas dessa brutalidade. Horror total!!!!

Neice

ver sexo disse...

Campanha publicitária muito legal! O cartaz é lindo!

Crioula disse...

Nossa surreal este estupro corretivo. Depois dessa fica mais dificil da lesbica gostar de homem. Parabens pelo post!

Engraçadinha disse...

1- Excelente post.
2- A África ainda tem um povo muito primitivo, inclusive espiritualmente. Por isso se vê lá ainda, medidas primitivas, arcaicas, brutais e animalizadas. Usa-se sempre de muita crueldade, pode reparar, principalmente contra mulheres.
Geralmente espíritos que andaram na erraticidade, ou que cometeram crimes hediondos em países mais desenvolvidos, reencarnam lá até na condição feminina, cujo gênero é abusado de todas as maneiras e têm seus direitos/ respeito tolhidos.

Ih menino, nem sei q santo baixou em mim agora. Só tô compartilhando o q já li. Se vc for observar, até dentro do caos existe uma sabedoria maior.

Dica de filme onde vc pode ver coisas cruéis na África

http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Last_King_of_Scotland

O Último Rei da Escócia, com Forrest Whitaker e um outro carinha q eu acho gateenho.

Bj.

Sarah Sweet disse...

Olá, gostei muito da forma como escreveste. Há que falar dos assuntos por mais dolorosos que sejam. Continua..
beijos doces

Samantha disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Pan disse...

tem o maior número de estupro de bebês e crianças também, devido, em parte, ao mito de que sexo com virgens cura a aids, difundido pelo continente todo. btw, ótimo blog e, qual o problema dessa samantha, ela realmente acha q só tem negro lá e q só eles estupram?

menina fê disse...

oh, god...
quanta ignorância!!! nem preciso falar nada... apenas ficar na torcida pela evolução desse povo. será?!


enfil, i'm back! rsrs


bjs pra ti, querido.
menina fê*

Curiosa disse...

é .. esse é o nosso planeta ...

mas o primitivo deles é somente diferente do 'nosso' primitivo institucionalizado, que mata de outras formas, que faz doer, física e moralmente, de outras formas ...

será que a humilhação do estupro dói mais que a humilhação da fome? E lá eles têm uma cultura justificando cada ação ... e aqui que estupramos 'sabendo' que é errado faz~e-lo ...

aqui que temos a mesa farta e saímos lá fora sem nenhuma culpa ao ver nossos iguais morrendo de fome?
O mundo é esse ... e vejo que temos responsabilidade individual e coletiva sobre sua organização ...


gosto muito do blog ...

hoje pude ler com maior cuidado, paesar da hora, que é minha única hora de paz e tranquilidade para isso ...

beijos para vocês ...